Guia das falácias racistas 1

Como detectar argumentos falaciosos


Este pode até parecer um blog de zuera, e é. Mas acima de tudo, o Efigenias é um blog sério de linguística aplicada, lógica formal e de pensamento avançado. No post de hoje vamos falar sobre as falácias utilizadas nos discursos racistas e simpatizantes.

Este é o primeiro de uma série de posts que eu espero que sejam periódicos #oremos





Mas o que são falácias?


Falácias são argumentos que parecem corretos, válidos, mas na verdade não são. Um argumento é falacioso quando linguisticamente o raciocínio tem aparência de verdadeiro, mas na verdade é falso. É a famosa ideia fraca, sem substância, sem sustentação.

Sabendo que pequenas mentes menos atentas podem até não perceber sua presença e validar suas ideias rasas, criamos este guia. Quem vai me ajudar é o nobre Stephen Downes e seu Guia das Falácias*Recomendamos a impressão deste artigo para ser colado  ao lado do computador para futura consulta.




5 tipos de falácias aplicadas a discursos racistas/racialistas 

Válidos também para ideia reacionárias, preconceituosas, coxinhescas em geral

1 - Derrapagem (bola de neve)
Para mostrar que uma proposição, P, é inaceitável, extraiem-se consequências inaceitáveis de P e consequências das consequências... 
Exemplo:
"Se o cara receber bolsa família, ele não vai querer trabalhar mais"
"A adoção de cotas baixa o nível da universidade"
Resposta: Quem falou? É possível provar? O que isso influi na validade do programa de governo? Você afirma isso a partir de quais dados? Mostre que não há contigência entre o fato e a consequência.




2 - Apelo às consequências (argumentum ad consequentiam)

O argumentador, para "mostrar" que uma crença é falsa, aponta consequências desagradáveis que advirão da sua defesa.
Exemplo: 
"O sistema de cotas vai tornar a sociedade ainda mais racista."
Resposta: Whaaaaat??? Ainda mais racista? Caramba, pensei que já tinham alcançado o limite máximo de preconceito, segregação e violência...  De qualquer forma seu argumento não é válido pois a realidade não necessariamente vai se adaptar ao seu desejo, não é mesmo? Porque uma pessoa que fala isso está com maldade no coração, só pode ser.


3 - Apelo a Preconceitos

Termos carregados e emotivos são usados para ligar valores morais à crença na verdade da proposição.
Exemplos:
"Pessoas trabalhadoras e esforçadas certamente são contra a política de cotas"
Resposta: Observe a tentativa de manipulação semântica intensiva: "pessoas trabalhadoras e esforçadas" são contra. E os que são a favor, são o contrário delas, é isso? Discordar de uma ideia, querido, não faz de uma pessoa menos trabalhadora ou esforçada do que outra que concorda.


4 - Apelo ao povo (argumentum ad populum)

Com esta falácia sustenta-se que uma proposição é verdadeira por ser aceita como verdadeira por algum setor representativo da população. Esta falácia é, por vezes, chamada "Apelo à emoção" porque os apelos emocionais pretendem atingir, muitas vezes, a população como um todo.
Exemplos: 
"Ah, mas o povo brasileiro é miscigenado, um povo amigável. Não existe racismo no Brasil"
"Somos todos iguais, filhos de deus. Não é certo fazer uma separação por cor, se somos todos irmãos em cristo". 


Resposta: Essa é terrível pois  tenta sensibilizar a pessoa usando palavras e ideias que sabe que são aceitas por uma grande maioria.  Ser miscigenado, amigável e cristão nunca impediu o povo brasileiro escravizar por 400 anos, segregar e  usurpar tudo relacionado ao preto.  Se você está de fato interessado em ter uma discussão, tem que deixar os apelos afetivos e religiosos de lado.
Essa resposta é um pouco dura, mas ninguém mandou apelar


5 - Apelo à autoridade (argumentum ad verecundiam)

Ainda que às vezes seja apropriado citar uma autoridade para suportar uma opinião, a maioria das vezes não o é. O apelo à autoridade é especialmente impróprio se:
  1. A pessoa não está qualificada para ter uma opinião de perito no assunto.
Essa falácia é bastante encontrada em tudo o que o Pelé e  bastante do que o Morgan Freeman falam sobre racismo. Eles são pretos e são celebridades,  mas isso em nada faz deles mestres do assunto . Em geral, suas ideias não passam de meras opiniões insignificantes, mas sempre tem um cara que vai e faz um même e fica parecendo que eles são grande pensadores do assunto.


Em breve mais exemplos de falácios e papinhos furados em geral.


:: Efigenias ::
Aqui não tem arrego





* http://criticanarede.com/

4 comentários:

  1. Nunca ouviu falar em racialismo, certo?

    Sendo assim precisa se informar mais.

    Se assistir a Outra História Americana vai mudar muitas coisas que pensa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não só sei bem o que é o racialismo como escrevi uma tese de mestrado sobre o assunto. Não entendi o relação entre o guia de falácias, racialismo e a história do filme. Você gostaria de compartir sua opinião?

      Editora do Efigenias

      Excluir
  2. Parabéns pelos toques ,racismo existe racialismo não existe

    ResponderExcluir
  3. Nãaao, nada disso. O racialismo vem antes do racismo, é a ideologia que o sustenta. Se não houvesse racialismo, não existiria racismo, preconceito racial, etc. Atenção, o texto fala sobre validação de ideias formais. Abrax

    Editora do Efigenias

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...